Fábulas Namoro e Casamento Reflexão

Em defesa dos homens

Como emagrecer com saúde Como emagrecer com saúde

a favor dos homens
Poucos dias atrás, meu marido e eu estávamos em nosso quarto, e eu estava dirigindo a ele uma pilha de preocupações. Em um ponto, perguntei-lhe se ele pegaria minha saia de corrida no cesto de roupa suja, e ele com entusiasmo respondeu: “Sim! Eu adoraria pegar sua saia de corrida! Finalmente, um problema que eu posso resolver!” ele a jogou para mim e eu respondi: “Obrigado. Agora, vamos discutir a relação.”

Se o meu marido quer conseguir um riso no final de uma noite com outro casal, ele diz: “Boa noite. Agora nós vamos discutir a relação.” O clichê é cômico, é claro, porque é irônico. Ele funciona contra os estereótipos de gênero. Eu tive muito tempo para pensar sobre esses estereótipos entre os pares românticos, e eu quero abordar especificamente como eu acho que eles podem prejudicar tanto homens como mulheres em relacionamentos de longo prazo.

Antes de continuar, quero reconhecer que a qualquer momento as diferenças de gênero são abordadas, estamos falando em termos de um grupo estatístico; há mais diferenças em cada gênero do que entre os gêneros. No entanto, como uma terapeuta de casais, bem como mãe de cinco filhos, quero apontar alguns problemas comuns relacionados à socialização de gênero que tem me preocupado, porque eu acho que eles criam barreiras na terapia de casais e em relacionamentos românticos heterossexuais em geral.

Nossa cultura muitas vezes envergonha e culpa os homens em maneiras que são contraproducentes e inúteis. Em suma, a nossa cultura tende a socializá-los fora do desenvolvimento de habilidades nos processos de inteligência e relacionamento emocional, e então cobra deles essas habilidades quando se tornam adultos.

Este processo de socialização é visível em todos os lugares. Visite qualquer escola primária e observe um menino que chora ser ridicularizado por seus colegas. Os pais com medo de que seus filhos sejam importunados ao agirem fora das normas sociais, reforçam estas práticas em casa. Aos meninos é dito para “endurecer”, de modo que não sejam percebidos como fracos.

Na adolescência, o processo de socialização torna-se ainda mais pronunciado. Os homens jovens são validados, se não incentivados, por seus sentimentos e expressões sexuais enquanto continuam a ser ridicularizados ao expressar vulnerabilidade emocional, ou mesmo mostrando empatia. Eventualmente, a sexualidade torna-se frequentemente entrelaçada com a necessidade emocional. Eles são elogiados por sua autonomia e considerados covardes ao exibir qualquer dependência. Como resultado, mesmo quando são vítimas, eles não têm amplo apoio social. As expectativas são estreitas e rígidas.

Às meninas geralmente são oferecidas mais flexibilidade de gênero. Quando eu mostrei minha fantasia de homem aranha para o desfile de Halloween do primeiro grau, sem me incomodar com o mar de princesas cor de rosa que me rodeavam, ninguém sequer piscou. Toda vez que era para “brincar de casinha”, no jardim de infância e eu pedia ao professor permissão para visitar o canto dos livros em vez disso, eu fui elogiada por minha curiosidade intelectual. Quando participei regularmente em jogos de futebol com os meninos da vizinhança, as pessoas encorajavam a minha capacidade atlética. Eu era capaz de explorar e expandir as várias facetas da minha personalidade e me sentir confortável com uma gama ampla e flexível de expressão emocional e relacional. Em contraste, os meninos são apertados em uma faixa mais estreita de comportamentos aceitáveis.

Na idade adulta, depois de uma vida inteira de socialização fora da expressão emocional vulnerável, é esperado que os homens sejam capazes de navegar por relações complexas. Eles são muitas vezes absolutamente confundidos por expressões de alto nível de emoção de suas parceiras. Muitos dos meus clientes masculinos descrevem sua desorientação no processamento emocional que é tão natural para as fêmeas. Para muitos homens, apenas ver uma mulher começar a chorar é uma experiência muito vergonhosa que é sentida como, “Que tipo de fracassado sou eu já que minha esposa é tão infeliz?” Os homens muitas vezes levam tudo muito pessoalmente, e quando eles não sabem como responder, ou gerir as suas próprias emoções e saem do ambiente, são muitas vezes criticados e responsabilizados. Não é incomum eu ouvir: “Ele é um robô”, ou “Ele é um narcisista.”

Com o passar do tempo, os homens tornam-se especialistas em sensoriar quando a temperatura emocional no relacionamento está subindo, que é identificado como uma situação “impossível de ganhar,” e se preparam para o ataque, muitas vezes desligando-se completamente. Eu não posso contar quantas vezes ouvi um homem dizer: “Se eu disser alguma coisa, vai ser errado, mas se eu não digo nada, eventualmente ela vai desistir e voltar ao normal.” Não é que eles sejam egoístas, ruins ou algo assim. Eles foram socializados a falar essa língua. As emoções simplesmente não “fazem sentido”, razão pela qual os maridos, muitas vezes, afirmam algo como “Eu acho que ela sofre de transtorno de Borderline”, ou “eu não posso lidar com suas emoções.” Eles parecem impassíveis e indiferentes quando na verdade foram tão profundamente feridos por sucessivamente decepcionar suas parceiras que eles tendem a dissociar-se de qualquer sentimento. Homens relatam consistentemente se sentirem “entorpecidos”, o que só acontece quando as interações têm sido dolorosas demais para suportar.

A socialização em torno da sexualidade cria outro possível campo minado nos relacionamentos. Nem todo homem tem mais desejo sexual que sua parceira, mas por causa de estereótipos, se ele não tem alto nível de libido, pode sentir-se envergonhado ou que tem algum problema, e muitas vezes não procura ajuda, mas sofre em silêncio.

Em razão dos homens terem sido socializados para não serem emocionalmente vulneráveis, mas incentivados em sua sexualidade, procurar um parceiro de forma sexual é muitas vezes fundido com emoção. Essa pode literalmente ser a única maneira que eles conhecem de obter conforto e segurança junto à parceira de uma forma vulnerável. Eles podem ser mal interpretados em sua abordagem sexual, como se pode perceber pela frase comum, “Sexo é tudo com que ele se preocupa.” Tive inúmeros homens explicando-me em meio a lágrimas que suas mulheres não entendem que não é só sexo… É a proximidade estreita com suas parceiras que eles procuram. É como eles se asseguram de que ainda são queridos e amados. E eu acredito neles.

Se essa conexão é retida repetidamente, pode deixá-los completamente sós, e às vezes eles tratam sua solidão e vergonha com pornografia ou alguma substância, ou o distanciamento, o que só intensifica o ciclo de desconexão. Reconheço também que existem muitas variações sobre este tema, e que o sexo satisfatório com suas parceiras nem sempre impede o uso da pornografia. Mas, no geral, a minha experiência é que os homens querem relacionamentos sexuais com ligação emocional da mesma maneira que as mulheres.

Estou escrevendo isso na esperança de que prepararemos nossos meninos para identificar e expressar sua necessidade emocional de uma maneira que seja segura e de forma mais eficaz, para que seu mundo emocional não seja tão confuso. Eu também espero que possamos culpar menos os homens e sermos um pouco mais pacientes em nossos relacionamentos mais íntimos.

Relacionados:
loading...

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Comentários

Método de como Reconquistar seu amor!
Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.